FEBRE AMARELA

 

 

 

Indicações:  Prevenção da febre amarela.

 

Doença: A febre amarela é transmitida pela picada dos mosquitos transmissores (Haemagogus e Sabethes) infectados pelo vírus. Não existe transmissão de pessoa para pessoa. Entre os sintomas estão a febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômitos, dor no corpo, pele e olhos amarelos e hemorragias de gengivas, nariz, estômago, intestino e urina.


Não há tratamento específico contra febre amarela. O tratamento é sintomático e requer cuidados.

A vacinação é a única e mais importante medida de prevenção contra a febre amarela. Alguns países requerem uma certificação de vacinação como condição de entrada. A vacinação deve ser feita a partir de 9 meses de idade. Entretanto, crianças a partir de 6 meses de idade podem receber a vacina desde que residam em área de risco. Mulheres grávidas em situação de surto podem ser vacinadas, e indivíduos de 60 anos de idade ou mais devem tomar cuidados especiais quando for necessária a vacinação.


O viajante deverá ser vacinado 10 dias antes de sua viagem para estar protegido contra febre amarela. A vacina entrar em contato com as áreas consideradas de risco é válida por 10 anos, devendo ser novamente administrada novamente se houver risco de exposição.


Atenção: No momento da vacinação, o viajante receberá o Cartão Nacional de Vacina, válido apenas no Brasil. Para que a Agência Nacional de Vigilância sanitária emita o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP), o viajante deve procurar pessoalmente os Centros de Orientação ao Viajante determinados pela ANVISA, em portos, aeroportos e fronteiras.

 

Quem pode ser vacinar:

 

Contra-indicações: Imunodeprimidos, gestantes, indivíduos com reação de hipersensibilidade ao ovo, proteína de galinha, a qualquer componente da vacina ou hipersensibilidade grave (anafilaxia) após dose anterior de vacina contra a febre amarela.

 

Esquema de doses: Dose única a cada 10 anos. Mesma dose de 0,5 ml para crianças e adultos.

 

Eventos Adversos: Podem ocorrer em cerca de 2% dos vacinados. Na maioria dos casos são reações locais, podendo também ocorrer dor de cabeça e mal-estar.

 

Via de aplicação: Intramuscular ou subcutânea.

 

Disponibilidade: Rede Pública e algumas Clinicas Privadas

 

 

Fotos